« Home | Ok, tem alguns erros no texto do meu último post ... » | Tentei anular meu voto no primeiro turno, não cons... » | Atire a primeira pedra que nunca se preocupou com ... » | Star Wars Redublado » | É a Vida (ou Catarse) pt.2 » | É a Vida (ou Prelúdio) pt.1 » | Reencontrando uma paixão de 92 - parte II » | Reencontrando uma paixão de 92 - parte I » | O soluço não passa? Então, vai massagear o c*!! » | Se não tem texto, pelo menos tem O Esquadrão Aqua ... »

Didi e o fracasso da reinvenção

Cozinheiras mais experientes diriam que Didi perdeu a mão. Quem assiste A Turma do Didi, durante seu almoço de domingo, irá concordar com as quituteiras que opinarem, pois irão perceber: Renato Aragão está tentando reinventar a roda.

Quem acompanha sua tentativa frustrada de fazer um humorístico irá perceber que, o que ele quer, é repetir o sucesso de Os Trapalhões. O problema é que Didi tentou mudar o mínimo possível a fórmula. E onde o fez, fez errado.

Nota-se que são quatro integrantes que povoam o humorístico do domingo. Abrindo a série, Didi interpreta ele mesmo. Mas já sem a ingenuidade que tinha durante as décadas de 60, 70 e 80 com Os Trapalhões. Hoje, Didi é apenas um malandro que sempre se dá bem, fica com a garota bonita e sai por cima dos companheiros. Para quem viu Didi dar o fora em Dedé, Mussum e Zacarias e sair com ele mesmo, nada mais rasteiro do que a versão atual.

Em seguida, entra o galã do quarteto. Há 30 ou 40 anos, este era o papel de Dedé Santana. Atualmente no SBT com Dedé e o Comando Maluco, Manfried Santana ostenta uma senhora barriguinha aos 70 anos e vive às turras com Renato Aragão, mas tinha o dom de fazer humor com seu tipo nervosinho e galanteador. Algo que Marcelo Augusto é completamente incapaz no século XXI.

Não precisa ser genial para perceber que Jacaré é a tentativa de um novo Mussum. Não só por ser negro, o que seria a análise mais superficial. Mas assim como Mussum deixou Os Originais do Samba para se juntar à trupe, Jacaré trocou a 'carreira' de dançarino do É o Tchan! pela de 'humorista' com Didi. Nota-se que a escolha não foi muito acertada, uma vez que colocar Jacaré para ser Mussum é como escolher Paulo Zulu para o papel de Zeca Pagodinho.

Com todas essas eliminações, fica fácil perceber que Tadeu Mello é o novo Zacarias. Os dois são baixinhos, cheios de caretas, fazem personagens acanhados e exibem todas suas peculiaridades fonéticas. Cabe a Tadeu Mello, assim como cabia a Mauro Gonçalves, o Zacarias, o papel de maior estereótipo do grupo. A diferença é que o ex-radialista mineiro, morto em 1990, fazia isso com graça.


'Reforçados' com a participação especial de Kléber Bam Bam,
os 'Novos Trapalhões': Marcelo 'Dedé' Augusto, Tadeu 'Zacarias' Mello
e Jacaré 'Mussum'. Uma legenda cheia de aspas.


É um grande esforço para Didi a idéia de parar, assim como é ainda pior a idéia de mudar de rumo. É muito mais cômoda a política do 'time que está ganhando, não se mexe'. O problema é que a fórmula de Didi já foi campeã, mas começa a perder jogos. Seria melhor que ele pudesse mudar rápido, antes que sua aposta resulte em rebaixamento.

nossa
nem tinha me tocado que o que eles querem fazer é um tipo "genérico" dos trapalhões.
realmente é uma tentativa frustrada de fazer humor.é mais um dos péssimos programas de domingo da globo!

Grsat post. I was checking continuously this blog and I'm inspired!
Extremely helful information specially the closing phase :) I deal with such
info a lot. I was looking for this certain info for a very lengthy time.
Thank you and goopd luck.

Here is my web site; penis

Postar um comentário